quarta-feira, 23 de maio de 2012

Tempos soturnos



nada me inspira
tudo me comove
"Você tem sede de quê?"
me  perguntam os Titãs
o fantasma da ópera
ainda me assombra
sou refém de tempos soturnos
não existe trégua no meu mundo


Márcia Leite

Um comentário:

Paulo Tamburro. disse...

MÁRCIA,

recentemente escreví num do meus blogues o :"FALANDO SÉRIO": um texto, ESSA TAL DA EMOÇÃO.

Comover-se é estar sempre batendo à porta da mudança,do querer entender e do fazer-se com vida, para a vida,dizendo sempre presente ao mais inesperado que seja.

É o inesperado pode nos trazer excelentes surprêsas!

Só não nos é permitido, ficarmos indiferentes.

Mas, todos nós somos em alguns momentos,soturnos,trites,taciturnose silenciosos.

Nos é necessário e faz bem aquela escuridão do silêncio.

Portanto,persiga a trégua das palavras,pelo menos esta,se não lhe peço em demasia, pois como dizia Oscar Wilde:

"Se você não consegue entender meu silêncio, de nada adiantarão minhas palavras, pois é no silêncio das minhas palavras que, estão todos os meus maiores sentimentos".

Um abração carioca e excelente fim de semana.